Comunicação Natural

Existem diversas formas para nos comunicarmos com nossos cães. Partindo do princípio evolutivo, a forma mais fácil de haver compreensão correta da mensagem por ambas as partes é usando a linguagem natural canina, isto implica compreender corretamente o significado de cada tipo de latido, uivo, posicionamento corporal, movimentações, toques e outros, o estudos profundo da comunicação de lobos selvagens auxilia nesta compreenção. Devido ao nosso potencial intelectual é mais simples e lógico nós humanos usarmos a língua canina nas comunicações cão X homem, o cão compreender a nossa é mais complicado.

Como podemos observar em humanos, toda comunicação gera estímulos e respostas, podemos separar estas comunicações em várias categorias, mas para simplificar usarei apenas 5: estímulospositivos, estímulos negativos, brincadeiras, informações e agressões. Devemos usar a comunicação natural e tomarmos cuidado com a humanização da comunicação, seja ao gerar ou ao compreender a comunicação. Avaliar a intensidade do estímulo dentro dos critérios naturais é muito importante, o que parece delicado para humanos pode ser muito agressivo para um cão.

Nas metodologias convencionais de adestramento a linguagem natural fica muitas vezes esquecida, as comunicações simplificadas em dois critérios, estímulos positivos e estímulos negativos. Estes por sua vem são muito humanizados ou humanos e não caninos. Tapas, gritos, castigo, são comportamentos observados em humanos e não em lobos, nossos cães não compreendem estas coisas como estímulos negativos e sim agressões, vale o mesmo para apelidos carinhosos, beijos e mimos, eles não compreendem isto como estímulo positivo.

Este tipo de comunicação encontra respostas no medo ou na premiação e não no respeito mútuo. Devemos usar a linguagem natural para educarmos nossos cães de verdade. Nós humanos devemos ser os lobos alfa de nosso cães e não os “lideres”, são conceitos bem distintos.

Citarei alguns estímulos naturais em ordem gradativa de intensidade para início da compreensão da comunicação canina, alguns pedem respostas outros não. Vou usar termos simples e não o correto cientificamente. As comunicações devem ser melhor analisadas, alterações sutis podem modificar totalmente o significado.

Estímulos positivos: latidos e grunhidos agudos; orelhas baixas e balançar de cauda; esfregar o corpo; lamber uma vez; deitar de costas; lamber como carinho; lamber a boca; trazer comida; regurgitar comida.

Estímulos negativos: rosnado; uma pata sobre o corpo; uma pata no focinho; mordida fraca no focinho; toque no abdômen; empurrão; bater de dentes; inflar o peito e erguer a cabeça; mordida média no pescoço ou dorso; ignorar o indivíduo; obrigá-lo a deitar-se de costas no chão.

Brincadeiras: latido agudos curto; bater de patas no chão; morder e correr; espojar-se; saltos horizontais, faltar de um lado para o outro.

Informações: olhar e correr em uma direção; posicionamento corporal; latidos ritmados; uivos; ganidos; balançar de cauda; lamber o ar.

Agressões: balançar de cauda ou deixar a cauda para cima, latidos e rosnados alto, bater forte com as patas, mordidas com intenção de ferir em qualquer local corpóreo.

Quando estamos educando nossos cães não faz sentido o uso de agressões, estas geram como resposta mais agressões.

Devemos avaliar a nossa comunicação, muitas vezes pensamos que estamos agradando ou “dando bronca” e na verdade estamos gerando outro tipo de estímulo, nossa comunicação humanizada pode ser compreendida de forma antagônica, o erro não é deles e sim nosso.

Thiago Mendes – Canil Moreira Mendes – Schipperke e Tervueren

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *